NEUROPLASTICIDADE

Por mais de quatro séculos foi comum pensar que nossos cérebros se desenvolviam somente durante a infância e depois se tornava inflexível ao longo da vida adulta, dando uma falsa sustentação ao velho ditado “não se pode ensinar truques novos a um cachorro velho”. Porém, pesquisadores continuam a provar que essa teoria defasada não está correta e fornecem provas de que o cérebro humano pode se alterar através de estímulo mental, ginástica cerebral e novos aprendizados.

Neuroplasticidade, ou plasticidade cerebral, é a capacidade de remapeamento das conexões das nossas células nervosas, o processo que nos ajuda a continuamente aprender. Ela se refere à maneira do nosso cérebro agir e reagir à medida que experimentamos uma mudança em nosso ambiente ou desenvolvemos uma habilidade.

Estima-se que as características neuroplásticas do nosso cérebro influenciam mais de 100 bilhões de nossas células nervosas ao longo da vida. Quando nós usamos nosso cérebro de formas novas, nós criamos novos caminhos para comunicação neural. Mesmo quando adultos, o que nós aprendemos e ao que nos adaptamos ao longo da vida reorganiza nossos neurônios existentes. Portanto, a neuroplasticidade é o que nos permite aprender, memorizar e adaptar através da nossa experiência com o mundo a nossa volta.

A moral da estória é que é importante se dedicar a novas atividade: cozinhar,  pintar,  tocar um instrumento,  um jogo novo, um novo idioma, uma  atividade física… Exercitar seu cérebro é tão importante quanto exercitar seu corpo. Se você continuar a desenvolver sua reserva cerebral através de prática de exercícios mentais e um estilo de vida saudável, você tem mais chances de manter a plasticidade cerebral e sua habilidade de aprender, à medida que envelhece.

Fonte: Cerebro Melhor

Anúncios

A BOA POSTURA PODE EVITAR AS DORES NAS COSTAS, DESDE QUE ELA SEJA CONQUISTADA TODOS OS DIAS… AQUI VÃO ALGUMAS DICAS DE COMO TRABALHAR POR UM LONGO PERÍODO SENTADO

  • A cadeira deve ser confortável, com encosto alto, até as escápulas ou região média da coluna, sem provocar o escorregamento do quadril.
  • A mesa deve ser da altura dos cotovelos para que fiquem apoiados; sem ser baixa a ponto de curvar o tronco nem alta para não elevar os ombros. Se possível use os braços da cadeira para apoiar os cotovelos e os punhos devem ficar na posição neutra (sem dobrar).
  • O assento da cadeira deve estar regulado numa altura onde os joelhos fiquem dobrados +/-a 90° e os pés bem apoiados no solo ou em um tablado.
  • O terço superior do monitor do computador deve estar no nível dos olhos, e na distância de 50cm.
  • Mantenha os glúteos apoiados no assento, e não o cóccix;  chegue bem perto da mesa para não ter que se curvar e assim perder o apoio das costas.
  • Deixe o material de uso freqüente próximo a você para não ter que torcer a coluna, esticar-se ou dobra-se para alcançá-los.
  • Eleve o texto de leitura ou o objeto de manuseio à sua frente, e na altura dos olhos para não tencionar a cervical.
  • Não apóie o telefone entre a orelha e o ombro, e evite falar ao telefone ao mesmo tempo em que realiza outras tarefas. Caso seja necessário, use headphones. 
  • Faça pausas para caminhar, e se espreguice várias vezes e alongue-se.

ROMANA KRYZANOWSKA

A jovem dançarina da School of American Ballet, Romana Kryzanowska, tinha lesionado  seriamente o tornozelo e ao invés de se submeter a uma cirurgia,  seguiu a recomendação do então legendário coreógrafo George Ballanchine para conhecer Joseph Pilates e seu método de tratamento: “Bem  mocinha, faça cinco aulas. Se funcionar, continue. Se não, leve seu dinheiro de  volta”.

Romana pôde retornar às aulas de balé e  percebeu uma sensação agradável de equilíbrio e força e um controle corporal  completo. A perna estava perfeita e o trabalho melhor do que antes. A partir daí ela mudou sua vida e seu corpo: praticou e estudou incansavelmente, envolvendo-se de perto com os ensinamentos de Joseph e Clara (sua esposa). Foi então escolhida como sucessora, herdando os direitos de uso da metodologia  de PILATES, incluindo anotações, fotos e manuscritos.

Após a morte de Joseph, Romana Kryzanowska deu continuidade a tradição de ensinar o método e ministrar palestras e demonstrações em todo os Estados Unidos e no mundo.

Veja o vídeo de Joseph Pilates com sua pupila:

http://www.youtube.com/watch?v=1g3dPWBuOQ8&feature=related

Fonte: Cia do Pilates

SUPERAÇÃO COM PILATES..PARTE 2

PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS TAMBÉM PODEM SE BENEFICIAR COM A PRÁTICA DO PILATES 

Até pouco tempo atrás, o tratamento de pacientes com lesão medular estava restrito á prevenção de danos á medula espinhal, sendo o tratamento fisioterapêutico limitado á reabilitação intensiva. Com o aumento da expectativa de vida desses pacientes , o processo de reabilitação desviou-se da preocupação de sobrevivência para a melhoria da qualidade de vida e o aumento da independência funcional.

Os exercícios a seguir foram devidamente adaptados, a fim de proporcionar ao aluno melhoras nos seguintes aspectos: independência e autonomia; melhora da autoestima; melhora da função dos aparelhos circulatório, digestivo, respiratório e excretor; melhora da força e resistência muscular dos membros superiores e tronco; desenvolvimento do equilíbrio estático e dinâmico.

1-Diagonal Funcional:

2- Sereia Encantada:

3- Hug

Fonte: Guia de Pilates nº3

SUPERAÇÃO COM PILATES

A história do método Pilates começou em 1914, durante a primeira Guerra Mundial, quando Joseph Pilates começou a desenvolver intensamente seu conceito de um sistema integrado e abrangente de exercício físico, que ele mesmo chamou de “Contrologia”.

Joseph não deixou nenhum de seus companheiros de prisão parados, nem os mais debilitados, pois os exercícios eram feitos até em cadeira de rodas. Esses exercícios conseguiam promover uma verdadeira reeducação dos movimentos, identificando os limites e as necessidades da biomecânica humana.

Desde então, o Pilates tem sido utilizado com sucesso em reabilitação e pós reabilitação de complicações de joelhos, ombros, panturrilhas, em casos de acidentes automobilísticos, pós-cirurgias, portadores de Síndrome de Down, portadores de lesões, entre outros casos. Ou seja, o método Pilates é um método para todos!

O objetivo principal é capacitar o indivíduo ao maior aproveitamento de suas potencialidades de forma que ele possa ser independente nas atividades diárias da vida.

Ao praticar alguma atividade física ou esportiva, indivíduos com deficiências motoras podem, assim como as pessoas sem deficiências, aprimorar sua condição física e sua saúde. Mais do que isso, podem também mudar sua perspectiva de vida, por perceberem que são capazes de realizar habilidades que julgavam impossíveis. Ao realizar destrezas motoras, pessoas com deficiências recuperam sua confiança e auto-estima perdida.

Fonte: Revista Pilates – On Line

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.